Direitos iguais no mercado de trabalho

A luta das mulheres por seus direitos é algo que vive em constante debate no Brasil. Antigamente, elas eram vistas por toda a sociedade como donas de casa, ou seja, eram responsáveis por cuidar dos filhos e das tarefas domésticas, apenas os homens podiam trabalhar fora.

Nos séculos XVIII e XIX as mulheres conseguirem reivindicar o direito ao voto, ao divórcio, educação e trabalho. Logo depois, na década de 1960, a liberação sexual com o aumento dos contraceptivos e por fim, em 1970, a luta pelos direitos iguais no trabalho.

Depois do empenho na briga por esses direitos, hoje em dia todas as mulheres podem trabalhar em qualquer ramo que desejar. A única coisa que difere o patamar e o salário entre elas é o nível de escolaridade e, em alguns casos, a área de especialização.

Embora elas tenham conseguido conquistar essas importantes reivindicações e sejam capazes de trabalhar e sustentar sozinhas casa, filhos, entre outros, as mulheres ainda não garantem o mesmo salário que o dos homens e isso é o que deixa a luta cada vez mais incessante.

Mas dependendo da dedicação nos estudos e na vida profissional, é possível para as mulheres conquistarem até vagas na gerência de alguma empresa. Atualmente, o perfil da mulher e sua carreira vêm sendo cada dia mais valorizados no mercado de trabalho.

 

« Voltar ao Mais Claretiano

Comente essa postagem

Obs: Seu comentário será exibido quando for aprovado.

Comentarios (0):

Nenhum comentário encontrado. Seja o primeiro a comentar.

« Voltar ao Mais Claretiano

sobre o blog

Blog oficial das campanhas de graduação e pós-graduação do Claretiano contendo as melhores dicas e notícias para você se dar bem em sua trajetória profissional.

categorias

Janeiro - 2015